Da pança, dos livros e do chopp

Café Subversivo

O problema fundamental com o qual os amantes da boa e velha literatura tem de lidar é, com certeza, a somatização grammo-lipídica.

Sorvemos mais letras com os olhos do que nosso cérebro é capaz de absorver. Assim, toda esta massa gramatical não processada precisa ter algum destino.

O cérebro, preguiçoso feito é, não busca uma solução inovadora - como transformá-la em poesia dadaísta, por exemplo - faz o que já está acostumado a fazer: metaboliza a "gramma" em lipídios, que por falta de um lugar endoencefálico vão se acumular no abdômen...

A "pancinha" de um literato, se analisada de perto, não está cheia de gorduras e açúcares provenientes de chopp, coisa comum nas demais protuberâncias barrigares. É toda essa presepada literária que absorvemos e não conseguimos abarcar que nos presta a forma levemente abaulada no baixo ventre.

É uma triste constatação, mas os olhos, senhores, não são apenas maiores do que a barriga. Os famigerados são, por assim dizer, maiores até que o próprio pensamento...

=Dom

Quinta-feira, 31 de Agosto de 2017

Sobre o Escritor

Dom Will

Poeta contemporâneo, viajante compulsivo compulsório, escritor de aeroporto, leitor de período integral.

Escreve depois que a patroa dorme.

Escreve às quintas.

Comentários