IN VINO VERITAS

Café Subversivo

Se querem saber da verdade - e isso somente se quiserem - digo que não acredito no que leio nas redes sociais. (Não acredito, nem mesmo, no que estou escrevendo agora)...

Não acredito nos amores melosos, nas tristezas pungentes. Não acredito no recalque, na ira ou na inteligência forçada, prolixa e extraída de fontes que nunca serão citadas ou assumidas.

De tudo que leio, aqui ou seja onde for, me importam as entrelinhas. A verdade é sempre dita pelo que não se teve caráter ou escrúpulos suficientes para escrever.

Falar pelas entrelinhas, senhores, é a maneira mais costumeiramente adotada por almas cativas que desejam passar um "S.O.S" através das grades das convenções sociais...

Sim senhores, caso ainda não vos tenham contado: as convenções são cadeias e as redes digitais são os corredores onde nós, os encarcerados, vestimos nossa melhor roupa para fotografar o jantar, postar no Instagram e aguardar os "likes" que nos trará o Facebook...

É por essas e outras razões que a semiótica deveria ser matéria mais importante que a soma de dois algarismos ou a localização da Birmânia, Miami ou mesmo do Distrito Federal.

(...)

- E o poema Dom? Esqueceu-se do poema?

- Pois segue:

[Gestalt]

Uma curva é, essencialmente, uma reta humilde

- uma linha que se permitiu corrigir por vezes infinitas.

Talvez

- e digo somente talvez -

exactamente ai resida

o porquê

da corcunda dos velhos...

A gravidade é mesmo uma professora exemplar!

______

Até a próxima quinta, senhores.

O café nos mantem acordados e não é de bom tom enfrentar a selva corporativa quando ainda se está sonolento.

= Dom

Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Sobre o Escritor

Dom Will

Poeta contemporâneo, viajante compulsivo compulsório, escritor de aeroporto, leitor de período integral.

Escreve depois que a patroa dorme.

Escreve às quintas.

Comentários