O jantar dos meus 30 anos

Café Subversivo

No jantar de meus trinta anos
Comi com assombro a tristeza
Que me serviste num prato

Sorvi cada gota de tua incerteza
E limpei minha boca nas mangas
Duma razão rota e desafetada

No jantar de meus trinta anos
Não tive fome
Não tive sede
Nem tive nada

Comi, bebi, chorei
E depois fui dormir
perguntando de que valeram
os muitos versos que compus

Nos meus trinta anos jantei sozinho
E não havia ninguém para lavar os garfos
ou raspar a gordura das panelas
Nos meus trinta anos jantei sozinho
E nem todos os galos do mundo
Me fariam acreditar num amanhecer

No jantar de meus trinta anos
Havia os poemas e era tudo o que havia

(...)

Era tudo o que havia
No jantar de meus trinta anos

=Dom

Quinta-feira, 18 de Agosto de 2016

Sobre o Escritor

Dom Will

Poeta contemporâneo, viajante compulsivo compulsório, escritor de aeroporto, leitor de período integral.

Escreve depois que a patroa dorme.

Escreve às quintas.

Comentários