Pequenos Mundos

Crônicas de Segunda

Esses dias estava zapeando no aplicativo do TEDx, e rapidamente ouvi um dos conferencistas fazer a seguinte pergunta: Por que você trabalha? A intenção era levar as pessoas à reflexão sobre o assunto e, principalmente, sobre o fato de hoje o fator financeiro estar sobrepondo a diversas questões que deveriam ser mais importantes quando o assunto é escolher aquilo que você basicamente mais fará pro resto da sua vida.

São tantos pensamentos e tantas perguntas que me surgem a partir dessa primeira pergunta, que nem se no lugar de uma crônica eu escrevesse um livro conseguiria responder todas elas. E com certeza não sou a pessoa mais indicada pra fazer isso, mas não posso negar que me flagrei pensando nessa pergunta: Por que trabalho? E essa pergunta me levou a outra pergunta: Por que eu existo? Pra escapar das nossas respostas automáticas para as perguntas que a vida nos faz, tive que me reservar a pensar com mais tempo, sem precipitação, no que eu poderia responder sobre o assunto.

Pode parecer pretencioso, mas juro que não é a intensão: acredito que somos agentes de transformação. Que realmente o que fazemos reflete e altera a vida das pessoas. E assim somos colaboradores tanto pra melhorá-las quanto pra piorá-las. Mesmo sabendo que faço isso muito mal, diligencio-me em tentar fazer as pessoas a minha volta mais questionadoras, tentando implantar na cabeça delas perguntas ao invés de impor minhas respostas, pra que aos poucos elas encontrem suas próprias respostas e transformem seus mundos particulares.

Não posso mudar o mundo, eu sei, mas posso mudar pequenos mundos. E o melhor de tudo é que quando percebo que mudei o mundo de alguém, por menor que seja, automaticamente estou mudando o meu mundo também.

Respondendo, eu acho que trabalho pra ser uma pessoa melhor em um mundo melhor. Putz! Agora deixei de ser pretensioso pra ser idealista. Fazer o quê? Sou eu no meu pequeno mundo.

Segunda-feira, 30 de Outubro de 2017

Sobre o Escritor

Tihh Gonçalves

oi será que vai chover seja bem vindo prazer não repara a bagunça te peguei no colo troquei sua fralda poxa que bacana como você cresceu indique pros seus amigos conte pra sua mãe vai com deus beijo.

Escritor de quinta (e dos outros dias da semana também).

Comentários