Que país é esse?

Sexo, Drogas E Rock'n Roll

Que país é esse? Ainda estou chocado com meus contatos cristãos no face defendendo a prisão de um ex ministro, lá da época em que ainda havia democracia no Brasil. Prisão que se deu em um hospital onde o mesmo acompanhava a esposa num tratamento de câncer.

Não tenho palavras pra descrever, ou, o que dizer.

Não vou entrar no mérito dele ser culpado ou não. Mas logo depois a prisão é revogada quando percebem que foram longe demais.

Mais foram? Acho que não.

Me desculpem mas da forma escrachada e escancarada com que as coisas estão acontecendo, não tem como negar mais que estamos num caminho sem volta de um golpe bem aplicado e em franca ascensão. Não amigos, não brado que é golpe na esperança que vocês enxerguem que o rei esta nu. Vocês não querem ver e não irão ver. Mas deixo uma parábola para reflexão:

A roupa nova do rei (Conto de fadas de autoria do dinamarquês Hans Christian Andersen)

Resumo da história:

Um bandido, se fazendo passar por um alfaiate de terras distantes, diz a um determinado rei que poderia fazer uma roupa muito bonita e cara, mas que apenas as pessoas mais inteligentes e astutas poderiam vê-la. O rei, muito vaidoso, gostou da proposta e pediu ao bandido que fizesse uma roupa dessas para ele.

O bandido recebeu vários baús cheios de riquezas, rolos de linha de ouro, seda e outros materiais raros e exóticos, exigidos por ele para a confecção das roupas. Ele guardou todos os tesouros e ficou em seu tear, fingindo tecer fios invisíveis, que todas as pessoas alegavam ver, para não parecerem estúpidas.

Até que um dia, o rei se cansou de esperar, e ele e seus ministros quiseram ver o progresso do suposto "alfaiate". Quando o falso tecelão mostrou a mesa de trabalho vazia, o rei exclamou: "Que lindas vestes! Fizeste um trabalho magnífico!", embora não visse nada além de uma simples mesa, pois dizer que nada via seria admitir na frente de seus súditos que não tinha a capacidade necessária para ser rei. Os nobres ao redor soltaram falsos suspiros de admiração pelo trabalho do bandido, nenhum deles querendo que achassem que era incompetente ou incapaz. O bandido garantiu que as roupas logo estariam completas, e o rei resolveu marcar uma grande parada na cidade para que ele exibisse as vestes especiais. A única pessoa a desmascarar a farsa foi uma criança: "O rei está nu!". O grito é absorvido por todos, o rei se encolhe, suspeitando que a afirmação é verdadeira, mas se mantém orgulhosamente e continua a procissão.

Sexta-feira, 23 de Setembro de 2016

Sobre o Escritor

Cass Aquino

Jornalista, ator e Palestrante de oficinas sobre comunicação e artes. Bacharel em Comunicação Social Formado em Jornalismo no ano de 2010 pela Universidade do Vale do Itajaí. Foi ator do grupo de teatro de pantomíma Gibbor por mais de 15 anos.

Escreve às sexta.

Comentários