Uma crônica triste num terminal agitado

Café Subversivo
Ao meu Amigo, Cas, pelo seu aniversário,subversão e arte...

Hoje a manhã começou cedo, e, pela proximidade da primeira reunião não pude tomar meu café com o "pão-donte" - ou de sempre.

Findadas as tratativas decidi por alimentar o estômago, que, nessas alturas já demonstrava claros sinais de uma revolta iminente.

Queria uma cafeteria, mas as horas avançadas me fizeram ter de aceitar um destes quiosques que os terminais da cidade nós oferecem. Escolhi um que já me era conhecido, o capuccino deles costumava ser ótimo.

Quando cheguei, atendia uma "quarentona plus-time", trajada de saia pentecostal, sapatos de re-te-té e cabelo compridamente desgrenhados - me fez lembrar os idos tempos de jovem Assembleiano.

Pedi um capuccino, a mulher franziu o cenho e fez careta ungida - capuccino dá trabalho, por que calhas d'água este incircunciso não pede um preto com leite feito todo mundo!!!

Fez meu capuccino, serviu sem o adoçar, não me ofereceu o açúcar, não avisou da amaridão...

Resmungou com o atendente a seu lado, xingou o patrão de avarento, disse impropérios do micro-ondas queimado e franziu o cenho para o próximo cliente.

Nisso chega uma mulher profana reclamando do pastel que comprara minutos antes:

- Este pastel está azedo!

A ungida vem atender, olha, cheira, franze o cenho e simplesmente fala:

- Não!

Deu as costas à "estrangeira", foi franzir o cenho para o próximo cliente.

E eu, que já conheço o tipo doutros "carnavais", pensei num título para pregar na testa santa da "missionária":

Aqui jaz mais uma fiel que traz no corpo as marcas da igreja mas não traz na alma as marcas de Cristo.

Corri para meu busão, dele vos escrevo e dele repenso o que li nas Escrituras sobre graça, amor e dignidade...

_____

=Dom, crônicas tristes de Busão.

Quinta-feira, 10 de Novembro de 2016

Sobre o Escritor

Dom Will

Poeta contemporâneo, viajante compulsivo compulsório, escritor de aeroporto, leitor de período integral.

Escreve depois que a patroa dorme.

Escreve às quintas.

Comentários